A Volvo diz que vai abandonar os motores tradicionais até 2019

A eletricidade impulsionará todos os novos modelos da Volvo a partir de 2019, anunciou a montadora de automóveis chinesa, baseada na Suécia nesta quarta-feira, tornando-se o primeiro grande fabricante de automóveis a prometer deixar a máquina de combustão tradicional.

 

A Volvo disse que lançará cinco veículos totalmente elétricos entre 2019 e 2021. Três deles serão modelos da Volvo, e os outros dois virão da Polestar, o “braço” de carros elétricos de alto desempenho da Volvo. 

 

A Volvo disse que também irá introduzir uma série de novos híbridos plug-in de gás e diesel na linha. A empresa ainda não fornece detalhes sobre nenhum dos modelos.

 

"A Volvo Cars planeja ter vendido um total de 1 milhão carros elétricos até 2025. Quando dissemos isso, nós quisemos dizer isso. É assim que vamos fazer isso ", disse Hakan Samuelsson, presidente e diretor executivo da Volvo. 

 

A empresa disse que continuará a fabricar seus carros a gasolina, mas gradualmente os eliminará da produção.

 

Alguns especialistas questionam a rapidez com que os consumidores americanos se adaptarão à mudança. 

 

"Os compradores nos EUA dizem que têm interesse em veículos elétricos, mas, em grande parte, compram utilitários esportivos com motores a gasolina", disse Michelle Krebs, analista executiva da Autotrader. "O maior desafio para as montadoras no futuro será descobrir como gerar demanda do consumidor para os veículos elétricos e híbridos exigidos pelos regulamentos governamentais".

 

Krebs disse que a propriedade chinesa da Volvo provavelmente desempenhou um papel no anúncio, considerando as questões da poluição do ar da China e o maior impulso para  carros mais limpos  lá e na Europa. Mas é menos claro se os compromissos para construir carros elétricos levarão ao sucesso comercial nos Estados Unidos.

 

A Volvo reivindica menos de 0,5% na participação no mercado dos EUA, de acordo com o Kelly Blue Book. Cerca de 130.000 carros elétricos e híbridos foram vendidos aqui de novembro de 2015 a novembro passado, de acordo com a  ChargePoint , uma empresa que opera estações de carregamento de veículos elétricos. Esse valor é bastante reduzido frente às vendas totais de automóveis dos EUA que em 2016, que totalizaram mais de  17 milhões .

 

O anúncio da Volvo ocorre quando os principais concorrentes da indústria automobilística estão se movendo em direção a modelos elétricos e híbridos. No ano passado, a Volkswagen anunciou planos para lançar 30 veículos elétricos novos até 2025. A BMW anunciou recentemente  que esperava aumentar a participação de modelos elétricos e híbridos para até 25% das vendas em 2025. A montadora de luxo também  teria planejado lançar uma versão elétrica de sua popular série 3 no final deste ano.

 

A promessa da Volvo chegou no mesmo momento do anuncio da  Tesla, de Elon Musk, de que o primeiro lote do carro elétrico de entrada de modelo 3 - Tesla de US $ 35.000 será entregue no final do mês.

 

A Volvo também disse que está apontando para que suas operações de fabricação sejam neutras em carbono até 2025.

 

 

Comentário de Ivo Pugnaloni, presidente da ENERCONS, sua aliada em Energias Renováveis:

 

“Na contramão do mundo, enquanto isso, aqui no Brasil as nossas autoridades vem há anos se esforçando o quanto podem para favorecer à geração termoelétrica fóssil, restringindo ao máximo o mercado das pequenas hidrelétricas e da microgeração hidroelétrica.

 

Para isso, elas contam até com a ajuda da mídia televisiva, que usa até mesmo personagens de novelas para denegrir, por todos os meios, a imagem da fonte de energia mais segura, limpa e barata que existe: a passagem diuturna de agua, de um rio, que existe a centenas de milhões de anos em um mesmo lugar, por dentro de uma turbina.

 

E da qual o Brasil aproveitou até agora apenas 40% do que dispõe, enquanto a França e a Alemanha já usaram 100% e os EUA já aproveitaram 60%.

 

Mr Trump, que na semana passada decretou um esforço gigantesco para assegurar a “Dominância Energética do Petróleo dos EUA” sobre os mercados do mundo, deve estar agradecendo muito enternecido às nossas autoridades, com toda a certeza.

 

Não é todo dia que se vê um governo desprezar e perseguir a fonte de energia mais abundante em seu país, apenas para criar mercado e privilegiar a fonte de outro país...

 

É preciso muita coragem, forçoso é reconhecer.

 

“Parabéns a eles”, não é Mr Trump?

 

Merecem até um “Greencard”, não acha o Senhor?

 

Fonte: The Washington Post, 5 de julho de 2017. (Clique aqui para ler a notícia original)