Consumo deve aumentar além do previsto em outubro, aponta ONS

As altas temperaturas registradas nas últimas semanas no país devem levar a uma intensificação no consumo de energia elétrica no mês de outubro “para além do previsto”, segundo expectativa do Operador Nacional do Sistema Elétrico. A avaliação do ONS foi feita durante reunião extraordinária do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico nesta quarta-feira, 18 de outubro.



Para o operador, medidas em andamento são importantes para garantir a segurança de atendimento ao sistema. Essas medidas são a importação de energia da Argentina, a antecipação da entrada em operação comercial do 1º Bipolo de Belo Monte, a garantia de combustível para usinas termelétricas que estão indisponíveis por falta do insumo e a flexibilização de restrições hidráulicas de algumas usinas hidrelétricas.

 


O CMSE continua a descartar o despacho de termelétricas mais caras, para evitar crescimento ainda maior dos custos resultantes do deslocamento da energia hidráulica e dos encargos setoriais. Em nota divulgada após a reunião de hoje, o comitê informou que o abastecimento de energia do Sistema Interligado Nacional está garantido, mas a tendência é de que os custos associados à geração de energia se mantenham elevados.



Diante do quadro atual, devem aumentar as pressões do governo para que a Petrobras garanta o fornecimento de combustível a algumas termelétricas consideradas importantes para evitar o acionamento das usinas mais caras. Segundo a nota do CMSE, uma nova correspondência será enviada à Petrobras “enfatizando a necessidade de gestão da empresa no sentido de viabilizar o fornecimento de combustível às usinas termelétricas que ainda se encontram nessa situação, que podem apresentar preços competitivos e contribuir para a segurança do atendimento ao SIN”.



Uma nova reunião extraordinária de reavaliação do cenário será realizada pelo comitê na semana que vem. Além do acompanhamento das ações adotadas, o grupo formado pelas principais autoridades do setor elétrico admite “avaliar a necessidade de medidas adicionais”.


As previsões climáticas não têm sido favoráveis à operação do sistema, com atraso já configurado na transição do período de seca para o período úmido. Na região central do país, onde estão as bacias mais importantes para a geração de energia elétrica do Sistema Interligado, a chuvas têm deixado a desejar, enquanto as precipitações no extremo Sul estão acima da média. Essa previsão deve se repetir nos próximos sete dias, com maior ocorrência de chuvas no Sul e menor no Sudeste.

 

Fonte: Canal Energia